O Unicórnio e o Leão

Quando um leão ruge, a terra treme e os animais estremecem. Se uma manada de gazelas se agita ao entardecer junto a um lago, quase sempre ficam rodeadas por estes gananciosos predadores. Quando os leões atacam, já é demasiado tarde para muitas das suas presas. No entanto, quando um leão perde o seu orgulho, tem de enfrentar tudo sozinho e a sua sorte diminui de dia para dia.

Quando um leão ruge, a terra treme e os animais estremecem. Se uma manada de gazelas se agita ao entardecer junto a um lago, quase sempre ficam rodeadas por estes gananciosos predadores. Quando os leões atacam, já é demasiado tarde para muitas das suas presas. No entanto, quando um leão perde o seu orgulho, tem de enfrentar tudo sozinho e a sua sorte diminui de dia para dia.

Foi o que aconteceu a um leão que, vagueando esfomeado durante vários dias, surgiu sobre uma colina.

«Estás cansado de tanto rugir, meu caro leão! Parece-me que a tua fome te tornou tão imbecil que nem sequer conseguirias encontrar uma raposa bebé», gritou-lhe um unicórnio de repente.

«Se é isso que pensas, talvez eu te apanhe para a minha próxima refeição» – respondeu o leão com um rugido ameaçador.

Mas o unicórnio tinha-se enfiado numa fenda nas rochas que era demasiado estreita para o leão.

«Pobre leão!» – disse o unicórnio em tom solidário. - creio ter o remédio para o teu sofrimento. Convido-te para jogares comigo um jogo de tabuleiro. Se ganhares, dou-te de comer a melhor carne, até mais não poderes, e depois disso poderás ir embora. Se perderes, também te deixo comer à vontade, mas depois terás de me servir para o resto dos teus dias».

O leão concordou imediatamente, já louco de fome.

O unicórnio levou o leão até à sua casa, ofereceu-lhe uma tigela de água e foi buscar o tabuleiro do jogo. As peças foram colocadas e os dois começaram a jogar.

Podemos certamente adivinhar como é que o jogo se desenrolou, com o pobre e faminto leão incapaz de pensar claramente. Apesar disso, ele permaneceu bem disposto porque sabia que, de qualquer modo, estava prestes a saborear uma bela refeição.

Depois de o unicórnio o vencer, o leão foi conduzido a um quarto onde o aguardava uma enorme montanha de carne. O leão comeu e comeu e tornou-se mais redondo, mais pesado e mais preguiçoso, até ficar mansinho como um cão de colo – sempre às ordens do unicórnio. Em pouco tempo, tornou-se até demasiado fraco para rugir e só gania e pestanejava preguiçosamente para o unicórnio.

Após um ano nesta confortável prisão, chegou o dia em que um ténue balido ecoou do quarto do leão.

O unicórnio clamou em estado de choque: «Será que o transformei num cordeiro devido à minha ignorância? Em breve, a sua cauda encolherá e a lã de ovelha a enfeitará».

O unicórnio refletiu por um momento e acabou por reconhecer o dano que o seu desejo de poder tinha causado. «Cometi um erro terrível!» – gritou o unicórnio. «Transformei um outrora nobre rei do deserto num humilde animal de estimação».

As lágrimas de arrependimento turvaram a visão do unicórnio. Sem compreender, e com um enorme bocejo, o leão suspirou: «Por favor, deixa-me ficar, porque certamente não haverá melhor vida do que esta».