O João e a Pequena Fada

O pequeno João respondia «EU» sempre a tudo. Quer a sua mãe colocasse uma fatia de bolo ou um pudim, o João dizia sempre «EU». Contudo, quando chegava a altura de ir para a cama, ele nunca dizia «EU», porque, claro, não queria ir para a cama. Um dia, depois de a mãe o deitar, ele saiu da cama, pôs-se à janela e olhou lá para fora.

O pequeno João respondia «EU» sempre a tudo. Quer a sua mãe colocasse uma fatia de bolo ou um pudim, o João dizia sempre «EU». Contudo, quando chegava a altura de ir para a cama, ele nunca dizia «EU», porque, claro, não queria ir para a cama. Um dia, depois de a mãe o deitar, ele saiu da cama, pôs-se à janela e olhou lá para fora.

Estava escuro, apenas se via a luz da lua, as cortinas moviam-se e as folhas esvoaçavam no jardim. De repente, o rapaz reparou numa pequena bola de luz que brilhava junto à relva e, dentro dela, avistou uma pequena fada.

«Quem és tu?» – perguntou o João.

«Eu sou EU!» – respondeu calmamente a fada. «E quem és tu?»

«Eu sou EU!» – disse o João.

A fada bateu palmas de alegria.

«Eu chamo-me EU e tu também te chamas EU. Não é engraçado?!»

O nome do João não era EU, mas ele não esclareceu isso.

«Queres brincar comigo, EU?» – perguntou a fada.

«Sim, EU, gostaria muito» – respondeu o João.

A fada apanhou um raio de luar com as mãos e espalhou-o por toda a sala. Transformou-se numa multidão de animais de todo o tipo: gatos lunares, cães lunares, póneis lunares, até mesmo dragões lunares que voavam e cuspiam fogo. A fada e o João tentavam apanhar os animais da lua. Enquanto isso, o João pisou acidentalmente o pé da fada. Ela começou a chorar e o João queria fazê-la sentir-se melhor. Ouviu-se, então, uma voz que vinha do jardim, «Fada, filha, porque choras?»

«EU pisou-me, mamã» – soluçou a fada.

«Quem te pisou?» – perguntou a mãe da fada.

«EU, mamã» – chorou a fada.

«Não há necessidade de chorar se te pisaste a ti própria» – disse a sua mãe, com firmeza. Depois, estendeu a mão até ao quarto e levou a fada embora. Os animais da lua desapareceram e o João adormeceu.

Quando a mãe lhe perguntou na noite seguinte: «Quem está cansado e quer ir dormir?», o rapaz respondeu imediatamente «EU!» Ele estava entusiasmado por voltar a ver a fada e assim permaneceu todas as noites para o resto da sua vida.